Vai começar o espetáculo

Matheus- Torcedor da Seleção Brasileira

Por Cintia Refundini

Começa a ansiedade, a vontade de vencer e tudo ao redor para. O tempo é inimigo e o relógio corre devagar. A 18ª edição da Copa do Mundo que será realizada pela primeira vez no continente africano, mais precisamente na África do Sul vem com ingredientes recheados de surpresas.

Algumas dessas surpresas seriam os craques de todo mundo, onde as seleções se preparam e prometem render muito no mundial. Infelizmente alguns craques ficaram de fora, como o alemão Ballack. Tudo foi planejado, antecipado e realizado nos mínimos detalhes. A África espera e deseja ser vista como um exemplo no mundo do futebol, e não apenas como um continente voltado para a miséria.

Essa copa mais do que nunca promete. O sorteio dos grupos mostra isso. É difícil, complicado e ao mesmo tempo inimaginável tentar explicar qual seleção terá maior dificuldade na primeira fase. Existe o favorito? A seleção brasileira enfrenta, um País que não vai há 44 anos para uma Copa, a Correia do Norte, a Costa do Marfim e a sempre perigosa Portugal.

Jornalistas do mundo todo defendem o seu lado, tanto de forma positiva, como de forma negativa. O nosso País, com propagandas, figurinhas para a Copa e o incentivo aos craques tentam de todas as formas empurrar ao hexa. É a vontade de vencer explicita no rosto de cada brasileiro, a ganância e a solidariedade misturadas ao mesmo tempo.

A seleção nessa quarta-feira, dia 26, embarcou rumo a África almejando mais um título. Os treinamentos já começaram e o técnico Dunga já vai elaborando qual será o time principal. É estranho dizer isso, mas às vezes é melhor ir desacreditado e numa sorte inesperada poder colher bons frutos. Ninguém no Brasil quer saber de favoritismo.

Com gols, craques, uma equipe preparada e um apetite avassalador de futebol a seleção se prepara. Um mês é o necessário para que todos treinem e possam fazer bonito na África do Sul. Pelo menos é o que todos aqui esperam.

Chris Brow: show dançante e curto demais decepciona fãs

Por Jaqueline Esmendia

A noite de quinta-feira (20) estava fria assim como as noites do início da semana, mas nada que tirasse a animação e a ansiedade de centenas de fãs que aguardavam a entrada de Chris Brow no palco do Credicard Hall em São Paulo.

Qualquer vestígio, uma mão, o testar dos efeitos especiais, tudo era motivos de gritos eufóricos para que o ídolo mostrasse a que veio. E às 22h lá estava ele, enlouquecendo os fãs que não conseguiram ficar sentados em sua entrada triunfal ao palco.

Os fãs estavam maravilhados demais para perceber pequenos detalhes, mas alguns deslizes da apresentação de Chris Brow foram altamente percebidos, como por exemplo, que era evidente que o cantor não conseguia dançar e cantar ao mesmo tempo. Na maioria das músicas de seu repertório, que são muito agitadas, uma frase completa mal era pronunciada, ele pedia a ajuda dos fãs para cantá-las, mas não precisava ser um especialista em canto para perceber que ele não aguentava cantar.

O show durou exatamente uma hora, os maiores sucessos foram cantados por pessoas que queriam estar lá junto dele ao palco. Com quatro bailarinos apenas, Chris Brow deu um show em Hip-Hop, seus movimentos precisos, sua ginga, sua expressão fizeram mulheres e homens de todas as idades irem à loucura com cada música.

Chris Brow é realmente um fenômeno, mas a criação de seu show deixou a desejar. Tive a sensação de que faltava “o que fazer ao palco”, dançava-se demais e cantava-se de menos. E não porque o artista em questão não cante bem, pelo contrário, em canções mais românticas o cantor sabe como emocionar uma platéia, mas o show de Chris Brow parece mais um espetáculo de dança do que de música em si. O que se percebe que seria muito mais proveitoso se as duas coisas fossem bem dirigidas.

Apesar da incredulidade dos fãs quando o show acabou em minha lembrança ficará o momento mais emocionante do show. Quando humildemente sem querer parecer um símbolo sexual, Chris pronuncia os primeiros versos de seu último sucesso Crawl, escutava-se 6 mil pessoas cantando junto ao rapper, um momento bonito, uma ótima lembrança aos fãs e ao cantor julgado com “econômico” pela maioria, devido a sua ausência por duas vezes no palco.

Assim como alguns sites já escreveram, a casa estava cheia, mas não lotada. O que realmente parecia ter incomodado os fãs foi o preço alto pelos ingressos enquanto o DJ era quem “mais apareceu” durante a apresentação e playbacks evidentes para pouco tempo de show.

Esperava-se mais de Chris Brow e o cantor infelizmente não correspondeu as expectativas.

Virada Cultural paulista acontece neste fim de semana

Por Kelly Andrade

A Virada Cultural Paulista 2010 acontece nos dias 15 e 16 de maio. O evento vai contar com centenas de atrações culturais gratuitas como shows, filmes, musicais, dança e etc. Entre as atrações confirmadas estão cantores como Arnaldo Antunes, Titãs, Toquinho, Arlindo Cruz e Céu. O evento terá mais de dez atrações internacionais, como ABBA The Show, L.A Guns, Fully Fullwood Band, Pablo Moses, entre outros.

Este ano, além de todo agito das grandes atrações, a Virada Cultural contará com alguns eventos bem peculiares, como uma área destinada aos “nerds” e shows dentro dos vagões dos trens na Estação da Luz.

A prefeitura acredita que mais de quatro milhões de pessoas participarão do evento, e alguns hotéis da cidade já estão em promoção para atrair turistas.

E a sua tribo, vai estar lá?

Para ver a programação completa da Virada Cultural Paulista, acesse:

http://viradacultural.org/programacao

Baladeiros de Plantão

Balada- A Seringueira (foto do site Rush Eventos)

Por Aline Martins

Quem nunca curtiu uma balada? Ou quem não gostaria de conhecer a noite de São Paulo, a terceira maior cidade do mundo? Há décadas, as baladas que já foram conhecidas como night, discoteca e baile vem fazendo a cabeça dos jovens. A reportagem do Conexão Tribo caiu na balada no sábado dia 1º de maio para ver de perto como é a noite de São Paulo.

O bairro da Barra está ficando cada vez mais conhecido pelas novas casas de noturnas que fazem a cabeça da galera. A balada que nós fomos, o Seringueira, é uma casa nova que fica na Av. Francisco Matarazzo, ao lado de baladas tradicionais como Porto Alcobaça e Villa Country. O Seringueira reúne praticamente todas as tribos com estilos de músicas alternativos bem variados, que vai de pagode até músicas dos anos 80. O agito tomou conta da galera com muita música, beijo na boca e diversão. “Eu torço para chegar o fim de semana para poder dançar e me divertir com os meus amigos”, afirmou Bruna Piera (24) que frequenta baladas desde os 16 anos.

Os adolescentes entre 14 e 17 anos que frequentam as famosas matinês muitas vezes burlam a Lei e entram em casas noturnas para maiores de 18. No entanto, a balada que conhecemos no ultimo sábado (1) além de divertida e agradável é bem organizada, só entrava na casa quem estivesse portando documento com foto.

E quem disse que balada é só para jovem? Encontramos no meio de tantos jovens, o motorista Cláudio de Carvalho (48) que estava se destacando na pista. “Não pude curtir minha juventude devido ter casado e ter tido meus filhos muito cedo, mas agora que sou solteiro e meus filhos estão criados, eu quero mais é curtir” afirmou o motorista que é separado há cinco anos e desde então virou frequentador nato das baladas de São Paulo.

Agora o blog conexão faz parte dessa tribo.

A ideologia de um grupo ao redor do mundo

Por Cintia Refundini

O movimento social e cultural punk rock que começou na década de 70 nos Estados Unidos e sempre teve como características músicas simples e ao mesmo tempo rápidas e agressivas. As músicas eram feitas sempre contra política ou alguma mobilização social.
Diversão, sexo, drogas, rock e temas do cotidiano sempre foram abordados por esse grupo de jovens e adeptos.
O estilo punk, a princípio, sempre adotou como filosofia o estilo “faça você mesmo”, ou seja, um estilo próprio e característico de ser que pretendia mobilizar a todos. Ainda na década de 70, o movimento partiu para a Inglaterra onde os jovens passaram a imitar suas bandas favoritas, dentre elas os Ramones.

Dentro dessa tribo urbana podemos encontrar estilos diferentes como o New wave, Pós punk, Psychobilly e Pop punk, estilos criados na década de 70, 80 e 90. Dos estilos mais famosos criados até hoje pelos punks podemos encontrar o hardcore, um estilo a parte que é extremamente distorcida e rápida, às vezes não chegam a um minuto de duração. Os americanos não deram tanta importância ao hardcore, se comparado às gerações anteriores. Seu estilo de roupa e cabelos curtos era mais simples.

Devido a grande onda de violência e brigas geradas pelas gangues punks, os jornais, noticiários e a mídia em geral começaram a ver o movimento e os punks com maus olhos, criando falsas ideias com o intuito de acabar com o movimento.
Isso fez com que a maior parte da população tenha uma imagem errada dos punks, e também os policias e militares que através de atitudes mais radicais fazem com que a repressão entre eles aumente. Atualmente, devido uma série de ocorridos, os punks andam sofrendo uma série de “pequenos preconceitos”, por parte da população e pelos jovens mais fechados e conservadores.

O adepto ao hardcore Bruno José da Silva de 17 anos, lamenta a forma que os punks são tratados pela sociedade e diz “A melhor forma de vencer esse preconceito é dando à cara a tapa porque para os punks o protesto não tem fim”.
O movimento punk no Brasil seguiu firme e forte, mesmo com todas as dificuldades, e foi crescendo, e hoje praticamente todas cidades brasileiras tem uma cena punk e o movimento brasileiro é considerado um dos maiores do mundo, com muitas bandas brasileiras indo tocar na Europa em festivais importantes.

A década de 90 foi sem dúvida de grande importância na cena punk do País com a criação de bandas como: consciência suburbana, anti sitema repressor entre outras que tiveram também muita importância no cenário nacional.
Ainda no Brasil, o estilo continuou a sua popularização e rapidamente o estilo hardcore, assim como na Europa foi muito utilizado. Como exemplo a banda Ratos de Porão. O olhar agressivo, com jaquetas e coleted de couro também ficou marcado pela população.

O estilo Punk é uma ideologia que um grupo de pessoas criaram na intenção de ter seu estilo próprio de ser e pensar. Cada dia é um dia de luta e eles tem que vencer esa luta chamada preconceito.

Andando pelas ruas de São Paulo encontramos bares, lojas que se especializaram em atender esse grupo. Na Zona Oeste da capital no bairro da lapa, encontramos lojas e mine shopping que vendem roupas e acessórios com logos e produtos relacionados aos Puncks.

O bolg Conexão Tribo através dos post, abre espaço para todas as weber, no Brasil e do mundo, pois os Puncks, hardcore… também fazem parte das tribos urbanas!

Festival Woodstock 2010 acontece no Brasil

Por Kelly Andrade

O lendário festival de Woodstock acontecerá na fazenda Maeda, em Itu, interior de São Paulo. O evento já tem data marcada e será nos dias 7, 8 e 9 de outubro. Entre as atrações que poderão vir ao Brasil, estão nomes como Foo Fighters, Bob Dylan, Smashing Pumpkins, Rage Against The Machine, Pearl Jam e Limp Bizkit.

O Festival de Woodstock teve a sua primeira edição em 1969 em uma fazenda na cidade de Bethel em Nova York. O evento deveria acontecer na pequena cidade de Woodstock, já que era a cidade onde moravam grandes músicos como Bob Dylan, mas os moradores não aceitaram e o festival foi para a cidade de Bethel. O evento é considerado um dos maiores momentos da história da música popular e contou com meio milhão de espectadores.

O festival ganhou destaque por representar a época hippie e a contracultura dos anos 60 e 70. Os precursores da contracultura foram os beatniks que antecederam o movimento hippie e tinham como a principal característica a decepção com a realidade do início da década de 60. Derivado da palavra beatnik, John Lennon, um dos principais porta-vozes do movimento hippie, criou o nome de sua banda – The Beatles. A cantora Janis Joplin também foi o símbolo musical do movimento da contracultura, suas letras se desviavam do modo convencional da cultura de massa imposta à sociedade. Outros famosos que se destacaram no movimento nessa época foram: Jim Morrison e Jimi Rendrix.

No Brasil, o movimento hippie teve sua ascensão nos anos 70. A frase “Paz e Amor” (Peace and Love) foi umas das expressões que marcaram o movimento hippie nessa época e que é utilizada ainda nos dias de hoje. No cenário musical, o maior representante da cultura hippie no Brasil foi, sem dúvida, o eterno maluco beleza, Raul Seixas. No ano de 1973, Raul emplacou um grande sucesso com a música “Ouro de tolo”, que fazia uma crítica bem humorada à Ditadura e ao “Milagre Econômico”. A banda Mutantes também esteve no auge nos anos 60 e cultiva milhares de fãs até hoje.

O valor dos ingressos e o local de vendas ainda não foram divulgados pela organização do evento.