A geração do futuro

Por Aline Martins

A geração y é um conceito de Sociologia, que se refere aqueles nascidos entre 1978 á 1990 uma geração que nasceu em uma época de grande avanços tecnológicos, considerada a era digital.

Esses jovens estão acostumados a ter tudo o que querem e por isso são considerados a geração do futuro.

Eles já foram tratados como irresponsáveis,distraídos e insubordinados, mas o que essa geração realmente quer, é buscar oportunidades no mercado de trabalho e serem reconhecidos, buscando salários e cargos ambiciosos.

Uma pesquisa da Fundação Instituto de Administração (FIA/USP) realizada com cerca de 200 jovens de São Paulo revelou que 99% dos nascidos entre 1980 e 1993 só se mantêm envolvidos em atividades que gostam, e 96% acreditam que o objetivo do trabalho é a realização pessoal. Na questão “qual pessoa gostariam de ser?”, a resposta “equilibrado entre vida profissional e pessoal” alcançou o topo, seguida de perto por “fazer o que gosta e dá prazer”. O estudo, desenvolvido por Ana Costa, Miriam Korn e Carlos Honorato e apresentado em julho, tentou traçar um perfil dessa geração que está dando problema para pais, professores e ao departamento de RH das empresas.

Esses jovens hoje estão procurando crescimento profissional, mas não é só isso que estão em busca, estão a procura do bem estar, lazer e meio ambiente.

O mercado de trabalho ainda esta se adaptando a essa nova geração tentando entender e a lidar com essa nova forma de trabalho.

Uma oficina sobre carreiras com estudantes da Faculdade de Administração da USP mostrou que a prioridade da maioria deles é ter “estilo de vida”, ou seja, integrar o emprego às necessidades familiares e pessoais e não o contrário.

A diferença em relação às juventudes de outras décadas é que, hoje, eles não abrem mão da liberdade.

Por isso a geração y é considerada a geração do futuro, que em um futuro não muito distante estarão nos cargos de chefias selecionando novos jovens para o mercado de trabalho.

‘Shrek’ lidera entre os filmes mais vistos

Por Aline Martins

Quem diria que o filme do ogro mais feio e mais meigo bateria até a febre da saga crepúsculo?

O filme lidera o ranking desde a estreia, no último dia 9. A continuação da saga “Shrek” arrecadou mais de R$ 10 milhões nos cinemas brasileiros.

A animação ficou à frente do terceiro filme da saga “Crepúsculo”, “Eclipse”, que estreou no dia 30 de junho e ficou na segunda posição, com R$ 3,9 milhões arrecadados.

A continuação do filme superou as expectativas dos fãs, ”Eu já adorava Shrek, agora em 3D ficou melhor ainda” afirma Brenda Carvalho de 13 anos.

Segundo a estudante, ela assistiu Eclipse e se decepcionou “Após ler a saga, esperava mais do filme, comprei o ingresso antecipado e estava super ansiosa, mas o filme não foi o que eu esperava” lamenta Brenda.

Mas o que realmente importa é que ambos os filmes estão sendo um verdadeiro sucesso no Brasil e no mundo. Elogios e criticas fazem parte de longas de tanta repercussão.